Merchandising

Merchandising é uma ferramenta de Marketing, formada pelo conjunto de técnicas responsáveis pela informação e apresentação destacada dos produtos no ponto-de-venda, de maneira tal que acelere sua rotatividade.

Origem do termo

Originada do termo francês merchand, a palavra inglesa merchandiser significa “negociante”. Por sua vez, a tradução de merchandising seria “mercadização”, nome que em português não corresponde exatamente ao significado da atividade como ja é conhecida. Merchandising seria então uma derivação da palavra merchandise, que podemos traduzir como “operação com mercadorias”.

fonte da imagem: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:WJT2005_Pope_Merchandising.jpg

História

O merchandising como hoje é conhecido surgiu como parte do próprio conceito de marketing, e intensificou-se com o surgimento do auto-serviço nos Estados Unidos, na década de 1930. Naquela época, as antigas lojinhas com balcão começaram a perceber o sucesso que as vitrines faziam. E, ao notarem que as mercadorias expostas eram muito mais compradas do que as não expostas, começaram a transformar todo o interior das lojas em verdadeiras vitrines, nas quais se podia ver e escolher todas as mercadorias. Daí, aos poucos, foram-se transformando em lojas de auto-serviço, onde o consumidor mesmo escolhe os produtos.

Muitos anos se passaram até que os primeiros supermercados começassem a aparecer. O merchandising era então feito para dar destaque a todas as mercadorias, e isso começava a partir do layout da loja, seus corredores e prateleiras, até a disposição dos produtos e sua promoção.

Hoje o merchandising é algo muito mais completo, que procura acompanhar todo o ciclo de vida de um produto, desde a adequação de sua imagem para os pontos-de-venda até o acompanhamento de sua performance diante de seus consumidores. Hoje o merchandising no ponto-de-venda é considerado a “mídia” mais rápida e eficaz, pois é a única em que a mensagem conta com os “três elementos chaves” para concretização de uma venda: O consumidor, o produto, e o dinheiro.

Merchandising editorial – Tie In

No Brasil o termo Merchandising é comumente usado de maneira incorreta, quando deveria ser usada a denominação Merchandising Editorial, ou Tie In. Este se refere à prática de inclusão sutil de produtos, serviços, marcas e empresas em obras de entretenimento, principalmente audiovisuais, como novelas, filmes, games etc. Quando falamos em propaganda na TV falamos de todo comercial que aparece nos intervalos, entre um programa e outro. Quando falamos em merchandising editorial, cujo nome usado em outros países é Tie-in, falamos das aparições sutis de um refrigerante no bar da novela, da sandália que a mocinha da história usa explicitamente, etc. Resumindo, é uma ação integrada ao desenvolvimento do esquema editorial, por encomenda. Possui custos mais elevados que os da propaganda em si, pois é “digerida” pelo publico com muito mais facilidade do que os comercias comuns nos intervalos. Apesar do nome, essas ações não têm nenhuma relação com o verdadeiro merchandising

História do merchandising editorial

A primeira experiência de merchandising editorial na TV brasileira foi em 1969, na TV Tupi, na telenovela Beto Rockfeller, onde um personagem, amanhecia das noites de farra com ressaca, e tomava um antiácido efervescente Alka Seltzer da Bayer. Mas os primeiros grandes casos de merchandising têm registro com a novela Dancin’ Days, em 1978, onde a atriz Sônia Braga, que fazia papel de Júlia, usava calças jeans Staroup. A década de 1980, se consolidou na efetiva ferramenta do merchandising, ampliando o faturamento das emissoras.

Definição e importância do merchandising

Merchandising é o conjunto dos estudos e das técnicas de aplicação utilizados, separada ou conjuntamente, pelos distribuidores e pelos produtores com vista a aumentar a rentabilidade do local de venda e o escoamento de produtos, através de uma adaptação permanente dos aprovisionamentos às necessidades do mercado e da apresentação apropriada das mercadorias.

Existem dois tipos de merchandising:

  • De sedução: Pretende criar um ambiente e exposição apelativo, favorecendo a compra
  • De organização/gestão: Centra-se na rentabilidade do espaço do local de venda

O merchandising do distribuidor e do produtor

O merchandising assume uma importância determinante sobre a venda dos produtos e a sua rentabilidade, logo, tanto os produtores como os distribuidores encontram-se inevitavelmente ligados ao mesmo.

Os objetivos do produtor são:

  • Maximizar o volume das vendas dos seus produtos em detrimento dos produtos concorrentes
  • Valorizar a imagem de marca
  • Desenvolver relações de parceria com a distribuição

Os objetivos do distribuidor são vastos:

  • Venda do conjunto de produtos do local de venda
  • Maximizar a rentabilidade dos seus investimentos (assegurar através do merchandising a venda de produtos com uma forte margem bruta ou produtos que tenham uma rotação rápida de stocks, de forma a reduzir custos financeiros)
  • Oferecer o máximo de satisfação aos clientes (vê o merchandising como meio de facilitar a escolha)

A nível de merchandising, é o distribuidor o único a dispor do poder de decisão. Os seus fornecedores têm um papel determinante na concepção dos produtos (especialmente nas embalagens -dimensões., cores, formatos), conselho e incitamento exercidos através dos seus vendedores, nomeadamente dos denominados promotioners-merchandisers. O principal papel dos vendedores dos produtores, a nível de merchandising, consiste em tentar obter a maior superfície de venda possível para os seus produtos. editado por giselle markievicz miranda

Referências

LINDON D., LENDREVIE J., LÉVY J., DIONÍSIO P., RODRIGUES J., Mercator XXI, Teoria e prática do Marketing, 10.ª edição, Dom Quixote, Lisboa, 2004

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Merchandising